Celso Custodio
Na vida tudo é difícil, mas difícil mesmo é ser perfeito.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

JUVENTUDE TRANSVIADA
 
Sofrer como quem sofre obrigada não resta vestígio minha amada, de um amor que em ti foi semeado e que ainda não brotou.
É, portanto que sangra como corte profundo, abrindo caminho para novo mundo, que não se esqueceu de colher as saudades, manifestando a proeza da verdade escondendo com todo recurso o amor.
É fácil sorrir para quem ama que o amor também é chama o coração enganador.
Embranquecida está o desejado, mas o querer do não obrigado sempre te acompanhou.
É triste ver o coração maltratado, o hino de guerra ser cantado e não participar da vitória.
É triste caminhar em teus caminhos ferindo os pés com espinhos, andando chorando sozinho deixando marca de dor.
Teus olhos percorrem a imensidão do infinito, o próprio “eu” é vencido e você na negridão da noite solta um grito para ninguém ouvir.
O mundo parece parado, o ar um pouco pesado e o pensamento volta-se ao passado, até lembrar-se das alegrias que anos foram esquecidas: do poeta amado, dos corpos juntinhos abraçados, dos lábios doces beijados as juras eternas de amor.
A falta de um complemento é ambiciosa; as areias das praias ensolaradas precisam de um corpo cheiroso, mas a noite é escura e o mar tenebroso que o poeta envelheceu mais moço, que a juventude passou sem desgosto até que o mar vomitou seu corpo.




 
Celso Custódio
Enviado por Celso Custódio em 27/06/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.recantodasletras.com.br/autores/celsocustodio). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras