Celso Custodio
Na vida tudo é difícil, mas difícil mesmo é ser perfeito.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

CORRENTEZA
Desce do riacho nos altos
Da cachoeira, mas tenta fingir
E prometa,
Tu és apenas correnteza.

O que banha o meu corpo,
O que brilha em meu rosto,
Mas tenta ocultar-me sem medo,
Tu és apenas correnteza.

Vela meu corpo entre a brisa
E o próprio cheiro de terra,
Fala comigo entre as relvas,
E teu leito em circulo navegas,
Deleita meu tempo e me nega.

Escuta? tenta compreender.
Vi você nascer de um pequeno riacho,
agora transborda sem retalho,
As águas que coube em seu tacho.

Naveguei entre suas águas claras,
E parei entre teu leito e meu leito
Parava, não sei se ia ou ficava,
nas noites frias de luas claras.

Tenta me compreender e me diga,
Se for verdade ou mentira,
Na gruta que também se fendia,
A lua que entre teu leito resplandecia.
Celso Custódio
Enviado por Celso Custódio em 14/06/2018
Alterado em 15/06/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.recantodasletras.com.br/autores/celsocustodio). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras