Celso Custodio
Na vida tudo é difícil, mas difícil mesmo é ser perfeito.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

FIHOS DOS PITIGUARAS
Quando teu olhar parece
Que acendia a lua
E o teu andar embala a
Noite pura
Esse teu aroma me persegue
Há muito tempo
É cheiro de amor que trazem
Os bons ventos
Deixa tentar ouvir a voz
Do bravio mar
Fazer afugentar as ondas
Não te levar
Filhos dos Pitiguaras (bis)
Se o vento sopra leva o
Teu destino
Flecha de menino
Coragem do Pajé
Voo do Anajé  (bis)
Fonte de águas límpidas
Cercada de flores
Cinge o céu de amores
Chuvas de neblinas
As montanhas surgem
No meio do horizonte
Pássaros gigantes desfilam
Sem cessar
Gemido da mata
Invade a madrugada
O grito de guerra
Numa luta travada
Quando as matas virgens
Escondem os colonizadores
Na floresta ecoa e rugem
Os tambores
Terra conquistada com sangue
De muita gente
Foi escravizada uma Nação
Carente
Como deixar de ouvir
A terra clamar a dor
Pede um libertador
Vê cena de tanto horror
Navio que jamais voltou (bis)
Se o amor á tribo faz frente
Ao inimigo
A dança de guerra
Cachimbo da Paz
Filhos dos Pitiguaras (bis)
Chora a própria vida
Cruel despedida
Marcas de feridas
Nas costas do irmão
Terras bem distantes
Levam os navegantes
Saudade da Pátria
Aperta o coração
País corrompido por falsos
Políticos
Trocas de favores roubaram
O nosso chão
Celso Custódio
Enviado por Celso Custódio em 29/06/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (celso custodio www.recantodasletras.com.br/autores/celsocustodio). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras