Celso Custodio
Na vida tudo é difícil, mas difícil mesmo é ser perfeito.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

GALO GARNISÉ
É lua nova no sertão de noite
É uma história pra quem sente paixão
É a melancolia de um nobre seresteiro
É o amor de Maria, seresteiro
Não chore, não...
A casa é um telhado sem telha,
Minha cama é uma esteira,
Lá não se come feijão
E o meu amor com Maria
É segredo é simpatia,
Seresteiro não chore, não...
A lua iluminou meu caminho
Pra que não pise no espinho, por
Onde andar
E as medonhas corujas, assusta-me,
Assusta-me
Maria vou voltar
Lá bem distante da serra
Sente o cheiro de terra
Quando chove no lugar
E aquelas aves rapinas
Se o animá deita cansado eles
Veem devorar
Amanhecendo o dia
Maria, Maria vem fazer meu café
E na janela o meu gado bovino
Espiando de quina o meu galo
Garnisé
_ Agora moço no tira gosto,
Vou te provar na colher.
No talharim cheio de cominho, antes
Do café
Mal agourou esse boi, numa tarde
Fagueira, mataram o meu Garnisé
Agora moço..
Celso Custódio
Enviado por Celso Custódio em 26/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (celso custodio www.recantodasletras.br/autores/celsocustodio). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras