Celso Custodio
Na vida tudo é difícil, mas difícil mesmo é ser perfeito.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


MAGIA DAS GRANDES ÁGUAS
 
Á tarde sombria se despede com nostalgia, as margens das águas sombreadas arrastam-se enlouquecida a brisa daquele dia, e aquece a terra fria com seu imenso calor.
É rompido o silêncio das matas, a garça dança alvoroçada, e desesperada canta o colibri e a flor que olha o beija-flor desmaia as suas folhas, e exala o perfume das rosas apaixonadas.
    As danças das ondas bravias açoitam as areias ensolaradas, e despejam a sua raiva no dorso de alguns navios.
    É dantesca a covardia, a terra e o mar gemiam ao tambor ás árvores, a fantasia em meio à dor Amazônia desaparecia.
    Aos poucos o pulmão da mata é interrompido, esvaindo lentamente o fôlego de vida, que sem pedir licença destrói a própria vida.
    O céu rasgou-se de decepção de um azul marinho acinzentado, entre nuvens flutuantes discutiam os dias mal iluminados.
    A beleza arranca o riso de tristeza, e ecoa entre as matas, escondendo a natureza que ao despir-se em melancolia gemeu em pranto, ocultando as nuvens.
    A escuridão da noite revela os olhos da própria mata, somente escuta-se o coração dos seres sobreviventes, que sem ter esperança é presa fácil de muita gente.
    O som ecoa e vai adentrando a madrugada é mortal. Agonizante, terrível e apavorante quando o corpo é engolido, paralisado por uma enguia, de frente para uma jiboia.
    É a força bruta da natureza, desprezada pelo homem, que sem perceber violentada e perseguida, visita a raça humana.
    Destrói tudo á sua frente que até o mar peleja e chora, e a magia das águas adormecidas, silencia no leito do rio o encontro da pororoca.
    Esse encontro é inevitável, que até a tarde alegra-se de novo ao ouvir o estrondo das águas, abraçada as ondas com maestria.
    O cenário é cinematográfico, a imensidão do mar não parece estar adormecida, e o passear dos tapetes de peixinhos, a bacia de corais e a perseguição dos golfinhos emoldura o quadro natural.
   O que é um rio comparado por essa imensidão, de cores e desamores, que destoa com a destruição da fauna e da flora, e o sol esconde a nova aurora raiando o novo dia.
    Assim, envergonhada nuvem despede do horizonte. O sol poente esconde-se ao cair da tarde, e a lua põem a cara para bater até a madrugada.
    Ás águas reflete o brilho caminhar, que o mar deita areia de alegria, suspira e baila a maré cheia, as ondas movem-se nos braços da melodia.
    O céu de um azul cintilante é invadido pelas estrelas e acompanhado pelas nuvens, descobre as cores do arco-íris rasgando o infinito.
    É o preço pelo progresso que recebe o troco, o retorno, o regresso com fúria catastrófica e arrasadora da natureza, a margem desgraçada do mau aviso, desparecem da face da terra seus entes queridos.
 
 
   
 
 
   
  
 
 
 
 
 
   
Celso Custódio
Enviado por Celso Custódio em 18/04/2017
Alterado em 29/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (celso custodio www.recantodasletras.com.br/autores/celsocustodio).


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras