Celso Custodio
Na vida tudo é difícil, mas difícil mesmo é ser perfeito.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

HOMEM DO CAIS
Joaquim da Silva Nascimento
Seu violão um lamento
Descia a beira do cais
Noite fria
E um batuque a luz do dia
De madrugada refletia
A imagem de Jesus
Pra quem tem a dor no peito
Agora
No chora da viola, um lamento
Traz
Viajei á Terra Nova da Bahia
Ao som de samba e nostalgia
Tornei-me um homem do cais

Foi pra lá
Que a madrugada ainda ia
E o meu pedaço de nostalgia
Foi parar na beira do cais
Ressoou um pandeiro e uma
Cuíca
Sou marinheiro de primeiro dia
Também sei nadar, apesar de ter
Fel na garganta
De ter nas veias o samba
Capoeira levanta no Cais
Celso Custódio
Enviado por Celso Custódio em 09/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (celso custodio www.recantodasletras.br/autores/celsocustodio). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras