Celso Custodio
Na vida tudo é difícil, mas difícil mesmo é ser perfeito.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

TEMPOS DE INFÂNCIA

Hoje a infância escondida deu lugar para incerteza, onde se busca a esperança, ocupam-se as preocupações da vida, e o sorriso embranquecido foi esquecido pelo passado mal vivido.
Mal começa adolescência, desponta o homem feito a sua frente; e o espelho a figura patética da voz ainda de menino, denúncia à atitude de criança que ainda não amadureceu com o tempo.
Os olhos perdem-se entre as figuras que mais lhe atraem, do que os versos entoados por Luís de Camões; o corpo deslumbrante de uma figura de mulher enlouquece seus pensamentos, que viajam pelas pernas torneadas subindo até a cintura, daquela que desfila com todo seu gingado, palpitando o coração, aumentando-lhe á vontade.
É o começo do seu martírio, brota-se o desejo enlouquecido que entre poucas palavras, não sabe buscar o seu desconhecido, e a aparência dá lugar ao medo, a saudade e solidão.
É imaginário inatingível em busca de resposta que satisfazem o seu ego, mas as lembranças são as recordações das alegrias em tristezas, e os sonhos irrealizáveis são questionáveis em seu interior.
A busca é incessante pelo não adormecido e o irrealizável, fez lhe acreditar num fio de esperança apagada há muito anos atrás, renasce das cinzas do passado e o futuro de braços abertos o aguarda.
Marcas deixadas pelo tempo, açoitados pela consciência dia e noite não deixam dormir assim tão fácil; a insônia debruçada em sua cabeceira faz sua noite virar dia, e a ansiedade de um novo despertar torna-se pesadelo.
O Sonho não é sonho quando não se acredita que pode ser realizado, mas qualquer tropeço pode neutralizar o passado e bloquear o nosso futuro; o mundo é um vulcão em erupção está em atividade a todo o momento.
As poeiras do tempo embranquecem os cabelos e as fisionomias joviais, aparecem acompanhando as rugas, para anunciar a idade mais avançada e o respeito e admiração passam muito longe da pessoa idosa __ chega-se a velhice.
O tempo não espera um acordo amigável para a geração vindoura, é silenciosa, traiçoeira, ultrapassa séculos sem risco de renovação; sem anunciar mudanças para hibernação, modifica toda estrutura terrestre sem deixar descendentes, parte para destruição de nossa semente.
As passadas já pesadas encurvam-se, inclina sobre seu corpo, e as marcas de suas pegadas serão pelas poeiras apagadas; pois seus olhos não figuram mais a luz e a vigor dos seus braços, esvai-se; o corpo amortecido cambaleia, e a terra firme se abre a tumba fria; o espírito esvoaça na própria areia e volta-se para Deus.
Desaparece.
Morreu ali...
Morreu...
Morreu...

 
Celso Custódio
Enviado por Celso Custódio em 05/04/2017
Alterado em 29/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (celso custodio www.recantodasletras.com.br/autores/celsocustodio). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras